FLÁVIO TELES

Flávio Teles

Nome: Flávio Teles  

Biografia:

Flávio Teles Cardoso (Flávio Teles). Nascido em 11 de fevereiro de 1972 em Tianguá-Ce, faz residência em Fortaleza capital do Estado do Ceará, onde desenvolveu sua formação acadêmica em História e Culturas pela Universidade do Estado do Ceará (UECE). Como Artista Visual e Poeta vem no decorrer dos últimos 20 anos experimentando vários materiais e desenvolvendo técnicas de apropriação dos couros do Ceará em sua relação plástica com a forma e o espaço, optando por essa matéria-prima como veículo de expressão artística. Participou como pesquisador e colaborador do Núcleo de Pesquisa do Museu de Arte Contemporânea do Estado do Ceará (MAC); Atua como parte integrante do programa “Mestres de Ofício” do Bacharelado em Belas Artes da Universidade de Fortaleza (UNIFOR).

Poesias

Presente,

Indivíduo ausente,

Perdido demente,

Ação de um poente,

Já foi.

Não mais será.

Noutro lugar nascerá.

Perdeu,

Não entendeu

O que o fez no momento.

Dilatou pensamentos

Incomodou outros ventos

Iluminou vãos e momentos

Turvou em desalento,

Transformou-se sedento

Desmistificou seu ser letral

Essa atitude amoral.

Aquilo não revelado

Fez-se entender um bocado

Noutros, manifesto deplorado.

Em minuto

Escandalizado.

Esse passou.

Ocorreu como instante,

Transeunte e andante.

Incomodou.

Fez-se torpor

Vivido

Seu ser inibido

Foi destituído

Anônimo,

Mas atrevido

Deixou de ser,

Assim mesmo,

Passou sem perecer

Mas enfim,

Desvanecei-se.

Foi.

Quando tiver perto de mim

Não pergunte onde moro,

Nem com que trabalho.

Não tenho essas quantidades.

Quando tiver perto de mim

Direi da minha vontade,

Da minha intimidade com os sonhos,

A maneira de inventar o presente,

Do meu viver permanente,

Do ser livre e do que estou a realizar

Com a natureza do meu olhar,

De onde vejo as coisas do mundo,

Do meu andar vagabundo.

Não sei nada sobre profissão.

Sei do meu ser amador

Quero mesmo é caminhar,

Amar e viver sem coisas.

Sem pressa.

Meu tempo de vida é para isso.

Sou devoto do sorriso.

Não preso por quantidades.

Quando tiver perto de mim

Falarei do amar livre

Sem posses,

Sem coisas…

Do meu viver amador

De como aqueço minha fala

falando de amor.

Quando tiver perto de mim

Te darei atenção

Não tenho quantidades

Sou eu tudo o que tenho

E me ofereço

Eu inteiro,

Pleno.

Meu amor por você

Espera teu tempo

E eu a procurar

Naquele mar

Na duna

Luar…

Meu amor por você

Tem sabor, corpo

Faz-se boca

Sedento.

É Beijar,

Suar

Sem

Respirar…

Minh’alma é você

Venho agora a ti procurar

Não demora mais, meu luar…

Estou encantado de tanto sonhar.

Em tudo vejo a ti, aquele amor

Cheira a você, vento e flor

Desejo e querer…

São dois e eu

Desejo-te

Quero

Tanto você…