ANTÔNIO JEFFERSON

Antônio Jefferson

POESIA_DE_FORTALEZA-POETA- ANTÔNIO JEFFESON

Nome: Antônio Jefferson 

 

Biografia:

Sou Antônio Jefferson. Antônio pelo laço, Jefferson pela mãe. Licenciando em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Ceará, busco através da escrita e leitura poética sentir sabores que deliberam permanência, falo daquelas que me inspiram o Chiquetique Bonitinho. Sou de escola pública desde a infância. Tenho trabalhos publicados sobre gênero e sexualidade. Participei de algumas edições da Revista LiteraLivre com poesias, como “A poeira” e “Cactos de estimação”, e participei de uma edição especial impressa e e-book chamada Canarinho na Editora Porto de Lenha com o poema “As forças do amor”. Costumo me inspirar em símbolos e imagens da natureza para colorir afetos e desinibições nas minhas poesias.

Poesias

A poeira

 

A poeira anda pelo mundo

Ela se veste de nada

Cada passo

É como rastro de criança na areia

Onde está? Para onde foi?

Se desmancha em tudo

Como uma dama

Que espalha flores no tapete terra

Vu-uu-uu! Vu-uu-uu!

Banhando-se de vento, cultiva o chão duro

Ela é nada.

Ela é tudo.

Ela.

A poeira.

Você não precisa de olhos para ver

 

Beija

Beija

Beija

Beija-flor

eija-eu

ija-ele

ja flor

a eu

ele

Beija

Você gosta flores, gosta mangueira, gosta ninhar

Eu gosto girassol, gosto cajueiro, gosto voar

Ele gosta ipê, gosta goiabeira, gosta cantar

Você sou eu, beija-flor

Você é ele, beija-flor

Somos nós, beija-flor

Quem beija a flor

 

(…)

 

A flor logo brotará para ser bebida pela poesia na qual o corpo não precisa ter cabeça, nem as pernas pés, nem o chão terra. É imagem, puramente imagem criada por um para ser aguada por aqueles que não precisam de olhos para ler, nem de mãos para escrever, nem de ouvidos para ouvir. É filha de todos, mãe de tudo e imagem de cobra de vidro que escorre.

 

 

As Forças do Amor

 

As forças do Amor rimam com Mar.

As forças do Amor rimam com Cirandar.

As forças do Amor repetem ecos.

As forças do Amor repetem ecos.

 

Eu cirando com Ele, Ele ciranda comigo.

Eu o mareio, Ele me mareia.

Ecos, ecos. Ecos, ecos.

 

Amar define a dança melodiosa que o Mar ciranda com a Terra.

A Terra define o eco que Ele faz comigo.

O MAR se junta com eCOS que me faz cirandar; querer, ficar.

 

Oh Mar, felizes serão os meus dias enquanto me banhares.

Oh Mar, os dias serão teus nesta Terra, o eco não se acabará.