NATALY OLIVIER

Nátaly Olivier

POESIA_DE_FORTALEZA-POETA- NATALY OLIVIER

Nome: Nataly Olivier

Biografia:

Nataly Olivier é uma escritora e artista que nasceu em 1996, em Fortaleza, Ceará. Desde criança ela começou a desenhar e escrever, encontrando nos livros e na arte um mundo na qual sentia-se parte, usando desses vários meios; pintura, fotografia, poesia, para se expressar. Pelo amor à literatura entrou na faculdade de Letras em 2014 e seguiu pintando paralelamente. Aos 22 anos publica seu primeiro livro de poesias, “Palavras Grudadas nas Paredes da Alma”, que carrega as várias poesias escritas desde os seus dezessete anos.

Poesias

Havia certa tristeza em seus olhos

mas uma tristeza bela

que não se esconde

Um brilho perspicaz escapava

entre a sombra melancólica

em que os cílios formavam

Os olhos estavam opacos

como o céu em que caia a chuva fraca

Estavam tão vidrados

que sequer olhavam o que se passava

Já estavam virados

de tanto que olhavam para dentro

E então, o que ela tanto olhava

e que lhe escapa pelos olhos

era pelo que se via dentro

ou pelo que não se via fora?

Junto com os números do relógio,

vejo os momentos,

que nunca vivi,

lembrando-me

do que eu perdi.

O que me dizes que sou

é o que me tornou pra ti

diante da superficialidade

e não do calcário

que a poucas lutas

faz surgir algumas flores

que florescem raquiticamente.

 

o que me dizes que sou

alguma vez já percebeu que

esse eu é o que engole

a água turva?

 

o que dizes que sou

não vou dizer não sou

mas não sou só o que dizes

o que ser pra que dizer

palavras não definem

não podem.

 

há a constância do constante movimento

nada é

mas é alguma coisa por alguns instantes.

DOR VELHA, DOR NOVA

 

E do nada tudo vem
e eu rio
como se algum dia
tudo tivesse ido
para onde? Não tem.
E sufoco-me
com tudo sempre vivido
invisível aos olhos de quem.
E eu acho que deveria
desistir do que me insiste.
E não sei o que é mais doloroso
deixar o que insiste
ou abandoná-lo para dar lugar
a uma nova dor.

MEMÓRIAS

 

Eu fechos os olhos por um momento

e tudo se vem

assim como se foi.